O Homem Besouro >> Making Of

A Society of Virtue é o projeto mais bacana de 2017. É tão legal que todo mundo achava que era gringo. Os R-MENGinger Panther, Bernard & Fredick e o resto dos super-heróis que enfrentam os problemas que nem sabiam que tinham (e talvez preferissem não saber) já chegaram ocupando seu lugar de destaque nos corações dos amantes da Cultura POP com os roteiros verdadeiramente engraçados do Ian e a arte foda do menino Thobias. Todas as terças tem video inédito no Youtube e webcomics exclusivas na APP.

Aqui temos a primeira ilustra do Homem Besouro, personagem central da webcomic que desenhei para a APP. Acompanhando de seus amigos, o Homem Capivara e o Orquídeoman, eles são os protetores da Amazônia. Grandes poderes e grandes responsabilidades, mas não tenha dúvida, tudo tem seu preço.

 


TIMELAPSES

Timelapse do primeiro quadrinho da primeira página da webcomic “BEETLE MAN – O Homem Besouro” da Society of Virtue. Mais ou menos uma hora e meia de trabalho. A trilha sonora é a música “Pickin’ Tomatoes”, da banda de rock holandesa “Shocking Blue”. Foi composta por Robbie Van Leeuwen e lançada em 1968 no album também chamado “Shocking Blue”.

Timelapse do segundo quadrinho da quarta página da webcomic “BEETLE MAN – O Homem Besouro” da Society of Virtue. Um pouco mais de duas horas de trabalho. A trilha sonora é a música “Walk Don’t Run”, da banda banda instrumental estadunidense “The Ventures”. Foi lançada em 1960 no album do mesmo nome.

Timelapse do último quadrinho da quarta página da webcomic “BEETLE MAN – O Homem Besouro” da Society of Virtue. A trilha sonora é a música “The Herd”, da banda holandesa “Mudcookies”. Foi lançada em 2015 no album também chamado “The Herd”.

 

Pra Casa do Cabeça >> Rafael Albuquerque

Não é bacana quando alguém faz uma versão do seu herói preferido? Quem viu não se esquece quando nos saudosos anos 80 os Trapalhões de vestiam de Super-Heróis, ou quando o Wolverine apareceu surtado pela primeira vez num jogo de luta. Aparentemente hoje o pináculo da existência de qualquer um desses é ser eternizado num boneco de vinil da Funko. Tudo isso sem contar as inúmeras versões cinematográficas, boas ou ruins, não importa, todas colaboram para enriquecer e aperfeiçoar o personagem. Sherlock Holmes, Super-HomemPernalonga, se ainda existem é porque evoluíram sob a lente de vários talentos diferentes.

Nos quadrinhos a coisa fica um pouco mais pessoal, junto com o personagem vem um pouco da personalidade do autor, um pouco da sua visão e é claro, milhões de outras variáveis mundanas e por isso o resultado é quase sempre imprevisível, mas muito legal, especialmente quando vem de um amigo que também é um dos maiores nomes dos quadrinhos e são os seus personagens. Valeu, Rafa, por enriquecer e aperfeiçoar a figura desses três sem-vergonhas.

pra-casa-do-cabeca-rafael-albuquerque-aquarela

Pra Casa do Cabeça >> HQ

Tudo começa a mudar quando três amigos se encontram e decidem empreender uma jornada a pé até a casa do Cabeça, o cara mais velho e mais legal da cidade e de quem todos querem ser amigos. A estranha aventura, regada a diálogos imaturos e bullying, toma outras proporções quando captam a atenção do perturbado e poderoso Juíz, que tem motivos de sobra para se interessar pelos garotos. quadrinho-hq-braga-01

O primeiro número da HQ Pra Casa do Cabeça chega pelo Stout Club. “São 44 páginas desses três garotos indo pra casa do cara mais cool da turma, aprontando mil e umas e se metendo em altas confusões pelos tortuosos caminhos dessa cidade pra lá de estranha” diria o locutor da Sessão da Tarde. Levantem dos sofás, amigos, vamos todos juntos pra casa do Cabeça.

quadrinho-hq-braga-02

Casa_do_Cabeca_Boneco_Capa_Final

Lançamento de 2015 da CCXP, a HQ Pra a Casa do Cabeça está na loja online do Stout Club, Amazon,  Submario e Casas Bahia.

AMAZON
SUBMARINO
Casas Bahia
STOUT CLUB

Pra Casa do Cabeça >> Making Of

Muitas horas gastas sobre essas páginas. Muito nanquim, borracha e corretor líquido branco. Só fazendo pra saber o trabalho que dá, as perspectivas, referências, refações e eterna edição de texto até o último minuto da entrega. E o pior é que nem dá pra dizer que parecia fácil. No fim é bom jogar todos os originais no chão e olhar o caminho todo, mesmo que página após página a Casa do Cabeça pareça estar cada vez mais longe.

making-of-casa-do-cabeca-01 making-of-casa-do-cabeca-04 making-of-casa-do-cabeca-03 making-of-casa-do-cabeca-06 making-of-casa-do-cabeca-05 making-of-casa-do-cabeca-02 making-of-casa-do-cabeca-11making-of-casa-do-cabeca-07 making-of-casa-do-cabeca-08making-of-casa-do-cabeca-10

Pra Casa do Cabeça >> ORIGENS

Foi em 1997, no terceiro ano de faculdade, que eu desenhei pela primeira vez esse personagem com cara de caveira. Eu não me lembro exatamente, mas desconfio que a cara tenha sido influência do Spawn e as luvas desproporcionais da mão direita do Hellboy. Eu nem tinha lido Hellboy ainda, mas conhecia da saudosa revista Wizard, que por alguma razão, chegava mensalmente nas bancas de Bauru. Tinha um pouco de Venom ali também, como se o simbionte preto estivesse se arrastando por um beco sujo e, mesmo sem hospedeiro, encontrasse um par de luvas de lixeiro, parte do crânio de alguém e saísse por aí com um corpinho de criança.

Ele nunca teve nome, mas seguiu aparecendo diversas vezes nos meus cadernos por um bom tempo. Foi útil também quando levei meu portfólio (algumas pastas pretas cheias de desenhos a lápis e um ou dois trabalhos da faculdade) pra DPZ. Ele chamou a atenção do Petit que até fez algumas perguntas sobre as luvas e a cara de caveira, me ajudando a conseguir aquele estágio que deu início à minha carreira de ilustrador.

primeiro-sketch-1997-caveira

Depois de um tempo ele sumiu. Não vi mais. Comecei a criar personagens para o Petit e com tantas novas influências que me foram apresentadas na DPZ, tentei mudar meu estilo de desenho, expandir os horizontes e me esforçar pra de fato aprender os meandros da profissão. Com isso muita coisa ficou pra trás, especialmente os personagens que, na minha opinião, estavam defasados com tanta novidade interessante surgindo todo dia na minha frente.

Mas essas coisas nunca vão embora de verdade. De vez em quando, mexendo nas minhas caixas, eu o reencontrava e pensava “talvez um dia eu consiga enfiá-lo em algum projeto, um personagem para meu estúdio, um game feito em flash ou até uma história em quadrinhos”.

Saindo da DPZ eu consegui ter um pouco mais de controle sobre meu tempo e deu vontade de fazer alguma coisa em quadrinhos. Mas nada que desse muito trabalho, nada muito elaborado que envolvesse muita anatomia ou tramas complicadas, algo que fosse uma desculpa pra eu desenhar só o que me desse vontade e, quem sabe, trazer de volta a diversão que era criar novos personagens sem motivo ou razão específicos. Desenhei essas páginas, criei os dois primeiros personagens na hora, um diálogo idiota e pra fechar, trouxe de volta meu velho amigo com cara de caveira.

historinha-pg-01
historinha-pg-02
historinha-pg-03

 

Essas três primeiras páginas, escritas e desenhadas sem roteiro, completamente no improviso, fizeram um certo sucesso dez anos atrás, no segundo semestre de 2005 na antiga versão do Diburros. Um grupo de fãs comentava e cobrava a próxima página a cada post, mesmo sem redes sociais pra espalhar a notícia. A página quatro só veio no ano seguinte, e pra não deixar o assunto morrer, eu fechei 2005 com esse cartão de natal aí embaixo. A frequência era mesmo muito ruim, às vezes eram meses sem notícias da Historinha, mas mesmo assim o feedback via comentários acabou incentivando a aventura por três anos até a página 19, última que publiquei por lá.

diburros-merry-xmas-2005

A história já tinha um público até razoável, mas como era feita no freestyle, corria alto risco de não chega a lugar nenhum. Temendo por um final com cara de LOST, achei melhor parar pra escrever de fato um roteiro, com começo, meio e fim, amarrando todas as pontas soltas e justificando aquela zona toda pra pelo menos dar um sentido na jornada desses três personagens. Isso levou um bom tempo e quando a estrutura do texto estava quase resolvida eu já não gostava mais do traço e resolvi redesenhar tudo do zero. Se ia redesenhar tudo, valia a pena editar o que eu achava redundante, chato ou fraco e isso deu ainda mais trabalho. E já que ia dar trabalho, valia a pena então fazer direitinho e publicar. Dividi a história em alguns volumes e me dediquei a terminar pelo menos o primeiro.

Chegamos em 2015 e aí está. O primeiro número da HQ “Pra Casa do Cabeça” chega na CCXP pelo Stout Club. “São 44 páginas desses três garotos indo pra casa do cara mais cool da turma, aprontando mil e umas e se metendo em altas confusões pelos tortuosos caminhos dessa cidade pra lá de estranha” diria o locutor da Sessão da Tarde. Levantem dos sofás, amigos, dia 03 de dezembro iremos todos juntos pra casa do Cabeça.

pra-casa-do-cabeca-preview-diburros

Pra Casa do Cabeça >> The Time Lapse

 


O processo de criação de um quadro da HQ “Pra Casa do Cabeça” com seus três inconsequentes personagens centrais durante sua irresistível jornada de aventuras e bullying. Agradecimentos especiais a Richard Twang & His Cadillacs pela trilha sonora. Um abraço também para o Runnin’ Riot pela faixa subliminar.

time-lapse-casa-do-cabeca-diburros-braga1

INKSHOT!

INKSHOT é uma antologia em quadrinhos com histórias curtas feita por artistas brasileiros. A idéia é produzir uma antologia composta só de roteiristas e desenhistas daqui, com o intúito de publicá-la no mercado norte-americano. No fim do ano passado, Hector Lima, editor do projeto, me convidou para contribuir com uma história de 5 páginas. Aproveitei pra contar, meio que resumidamente  a história de origem de um antigo personagem. A revista traz também uma historinha animal do Danilo, aqui da Macacolândia.

inkshot-teaser-diburros

inkshot-monkeys-braga

INKSHOT foi idealizada por Hector Lima, Pablo Casado e Felipe Cunha, contando com a bela capa de Felipe Sobreiro. Ainda não tem data de lançamento, mas dá pra acompanhar o andamento do projeto, conferir teasers das histórias e conhecer os autores envolvidos no blog oficial.