O verdadeiro rosto de Joana d’Arc

No começo deste ano, o amigo Farah me lançou um desafio: reconstituir o rosto de uma personagem histórica. Havia duas condições iniciais: não conhecer sua identidade e me basear em três referências visuais e em uma descrição física bastante resumida. Começou a troca de emails e mesmo com a escassez de informação, Farah não economizou nas palavras em nossas conversas sobre as características da figura. Focamos no período histórico, descrições do corte de cabelo, peso, altura e numa pequena mancha que havia em seu pescoço. Mesmo com pouquíssimos registros, a qualidade da discussão em torno do projeto acabou enriquecendo muito o briefing.

Quando apresentei o primeiro esboço, ele me disse “gostaria que tivesse as feições um pouco mais rústicas”. Apesar dos traços angelicais, não sabia que estava desenhando uma santa. No segundo esboço, tirei qualquer sugestão de beleza. Era o rosto de uma camponesa medieval, que aparentava mais do que dezoito anos.joana-darc-sketches

A terceira versão era uma combinação da primeira com a segunda. Quando a recebeu, Farah me pareceu bem satisfeito e me revelou quem era a retratada: santa Joana d´Arc. E pediu que, antes de finalizá-la, eu fizesse uma prece escrita por ele mesmo. Um trecho “eu vos rogo: revele seu rosto em minha imaginação e abençoai minhas mãos para que eu desenhe seu retrato, de modo que, contemplando-o com os olhos, as pessoas a alcancem com o coração”. Apesar de não ser uma pessoa religiosa, aceitei mais aquele desafio. O quarto esboço encerrou essa etapa do trabalho. joana-darc-sketches-02

A ilustração foi apresentada na Academia Brasileira de Hagiologia, em 29 de março. E, segundo o Farah, logo chegará na terra de santa Joana.


Por Fábio Tucci Farah

“Como era Carlos Magno? E santa Maria Madalena? Com o avanço das técnicas de reconstituição facial – que combinam perícia forense a programas de computador -, é possível saber, com certa precisão, como eram os rostos de personagens históricos. Basta dispor de seus crânios. Nessa seara, o trabalho dos brasileiros Cícero Moraes e José Luís Lira, fundador da Academia Brasileira de Hagiologia, tem ampla repercussão internacional.

Seria possível reconstruir a fisionomia de alguém sem ter acesso ao crânio? Foi o desafio que assumi, com o artista Marcelo Braga, na busca do verdadeiro rosto de santa Joana d´Arc. Em 1431, a heroína francesa foi condenada à morte na fogueira. Provavelmente, seu crânio explodiu por causa do vapor acumulado. De qualquer maneira, seus restos foram reunidos e lançados ao rio Sena – na tentativa de evitar que se tornassem relíquias ou fossem utilizados para feitiçaria.

Sem o crânio, nossa reconstituição facial se baseou em todas as descrições possíveis – e confiáveis – da aparência de Joana d´Arc e em algumas referências visuais. Entre elas, a única imagem contemporânea que chegou aos nossos dias – um esboço na margem de um documento – e, sobretudo, um monumento construído sobre a Pont des Tourelles, em Orléans, de três a sete décadas após o martírio. Embora o original não tenha sobrevivido, serviu de inspiração a descendentes da família d´Arc em homenagens à ilustre antepassada, na catedral de Saint-Étienne de Toul e em sua cidade natal, Domrémy.

joana-darc-references

Com o rosto esboçado, Braga fez uma oração, rogando à santa que o ajudasse na empreitada. Certa noite, teria recebido, em sonho, a visita de Joana. Na manhã seguinte, com sua lembrança quase tangível, finalizou o retrato artístico. O resultado foi apresentado, em primeira mão, durante minha posse na Academia Brasileira de Hagiologia, na semana passada . O evento foi encerrado com uma prece coletiva que compus à santa Joana, aprovada por Dom Odilo Pedro Scherer, arcebispo e cardeal de São Paulo.”


verdadeira-face-de-joana-darc

Cherém Show – Todo dia um 7X1

Quem acompanha o Cherém Show diariamente na Y&R reconhece o seu irresistível bordão a quilômetros de distância “Caraio, mano… Todo dia um 7X1” já é referência no humor nacional na mais bela tradição da Praça é Nossa ou do saudoso Zorra Total. É diversão garantida para toda família. Qual será a próxima que o Cherém vai aprontar, hein? Estamos de olho!

skecthbook-2016-cherem-diburros-braga

F-word

diburros-sketchbook-all-the-fuck

“Perhaps one of the most interesting words in the english language today is the word fuck. Out of all of the English words that begin with letter F, fuck is the only word that is referred to as the F-word. It’s the one magical word, just by it’s sound can describe pain, pleasure, hate and love. Fuck, as the most words in the English languages, is derived from German, the word fricken which means to strike. In English fuck fall into many grammatical categories. I’m sure you can think of many more examples. With all of these multipurpose applications how can anyone be offended when you use the word? So, use this unique flexible word more often in your daily speech. It will identify the quality of your character immediately. Say it loudly and proudly FUCK YOU.”  

The Usage Of The Word Fuck – Monty Python

Smelled like victory


velho-diburros-braga-sketchbookI love the smell of a last sketchbook page in the morning. You know, one time we had a pretty new book, lots of blank pages. When it was all over, I walked up. We didn’t find one of ’em, not one stinkin’ dink white space. The smell, you know that coffee smell, the padoca. Smelled like… Victory.

Diburrosgram VI

 

Não deu pra ouvir a conversa, mas tavam todos bem contentinhos no seu almoço de sexta

A photo posted by Marcelo Braga (@elbragon) on

IPhones everywhere!

A photo posted by Marcelo Braga (@elbragon) on

Nem era tão feia

A photo posted by Marcelo Braga (@elbragon) on

Morning tia na manhã do Rock #café

A photo posted by Marcelo Braga (@elbragon) on